blog-banner

A Inflação em 2021 e os impactos nas vendas

Publicado em: 09/04/2021 12:30 | Atualizado em: 16/04/2021 17:51

Grafico com seta

 

A inflação, de longe, tem sido um dos maiores desafios do ano de 2021. Com o surgimento da pandemia e todo o abalo econômico gerado no mundo, provocou escassez de alguns insumos e, consequentemente, a reavaliação dos preços de produtos e serviços no mercado. Esses acontecimentos impactaram diretamente no consumo e nas vendas do comércio, estabelecendo um cenário não muito positivo para alguns lojistas.

 

Mas, afinal, o que é inflação e porque isso interfere tanto na economia?

 

Descubra a resposta aqui e saiba como proteger seu negócio dos impactos da inflação 2021.

 

A interferência da inflação na vida das pessoas

 

A primeira coisa a saber é que a inflação é uma taxa que representa o aumento dos preços de bens e serviços no mercado. Logo, qualquer variação nela tem relação direta com o chamado poder de compra da moeda, ou seja, o valor econômico do Real (R$).

 

Para chegar até o percentual da inflação o Banco Central mede alguns índices de preço, sendo eles:

 

  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): acompanha a variação de preços de uma cesta de produtos e serviços consumidos pela população. Essa cesta, é definida a partir da pesquisa do IBGE e possui itens de: alimentação e bebida, habitação, saúde e cuidados pessoais, despesas pessoais, educação, vestuário, transporte e comunicação

    A avaliação do consumo e gastos da renda familiar com esses itens mostram se os preços subiram ou reduziram mês a mês. Ao final dessa análise chega-se à taxa do IPCA que é o índice oficial de inflação no Brasil.

  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC): verifica o custo médio das famílias com renda mensal entre 1 e 5 salários-mínimos. Ele define, portanto, o custo médio dos grupos mais sensíveis às variações de preços.

    A principal diferença entre esses dois índices está na amplitude. Enquanto o IPCA avalia uma parcela maior de pessoas e renda mensal, o INPC avalia um grupo menor que sofre mais com as variações de preços, já que tendem a gastar seus recursos em itens básicos como medicamentos, transporte e alimentação.

    Como o cálculo precisa ter uma maior representação da população, o Banco Central utiliza como base para a inflação o IPCA. Ele mostra um cenário mais amplo, sendo ideal para a definição das metas da inflação e taxas de juros.

Como isso funciona na prática?

 

O IBGE realiza mensalmente a pesquisa de preço relacionada aos itens da cesta de produtos e serviços consumidos pela população. Esses dados são comparados com o mês anterior gerando assim um valor único que reflete a variação geral de preços ao consumidor naquele período. Define-se assim o IPCA, o índice principal da inflação.

 

A partir desse dado, o Banco Central determina a meta da inflação, ou seja, o índice máximo de aumento dos preços, estabelecendo junto com ele as medidas para controlar esse aumento.

 

Todo esse fluxo econômico é muito importante, pois impacta diretamente no poder de compra do consumidor. Se a inflação sobe, indica que houve um aumento dos preços e, portanto, uma redução do poder de compra das pessoas.

 

Aquilo que antes era possível comprar com R$ 10,00 já não é a mesma coisa. A capacidade de adquirir determinados bens e serviços se torna menor.

 

Mas você pode estar se perguntando:” O que a pandemia tem a ver com isso? TUDO!

 

Até porque, essa variação da inflação acontece justamente por conta das mudanças no mercado, as chamadas pressões econômicas que surgem a partir da:

 

  • Pressão da demanda: busca menor ou maior da população por determinado produto e/ou serviço.
  • Pressão dos custos: oscilações geradas pela escassez ou alto custo de insumos.

Na pandemia, muitos perderam o emprego ou reduziram alguns gastos. Isso impactou diretamente na pressão da demanda, ou seja, a busca por compra reduziu. Na outra ponta, as empresas entraram em quarentena e alguns itens deixaram de ser comercializados. Com isso, segmentos que dependiam desses materiais, elevaram os preços por conta da escassez.

 

Todo esse cenário interferiu nos preços em 2020, logo no início da crise pela covid-19, e ainda hoje tem apresentado variações mês a mês.

 

Estima-se que para 2021, uma das projeções para a inflação seja:

 

Tabela inflação Covid-19 - IPCA

Fonte: Relatório Trimestral Inflação - BACEN

 

 

Estratégias para evitar a perda de dinheiro com a inflação

 

Mesmo diante desse cenário econômico desfavorável, existem algumas estratégias que podem ajudar a não perder dinheiro nesse momento.

 

  1. Atenção aos gastos: avalie suas despesas e verifique quais são aquelas não essenciais que podem ser cortadas. Ainda que não seja um gasto elevado, no total vai valer a penas, pois a retirada dessas pequenas contas pode te dar um respiro no final do mês. 

  2. Negociação com fornecedores: negocie a alta dos preços com os seus fornecedores, propondo descontos ou mais facilidade nas condições de pagamentos.

  3. Compras coletivas: se tiver uma boa relação com outros lojistas do mesmo segmento e região que a sua, proponha parceria para compras coletivas com os fornecedores. A compra de quantidades maiores de produtos pode ser uma oportunidade para conquistar descontos nos preços.

  4. Pesquisa de preço: talvez seja a hora de ir em busca de outros fornecedores e encontrar preços mais adequados para o seu orçamento. Faça um levantamento dos principais itens que comercializa, procure por novos locais de fornecimento e avalie os preços praticados.

  5. Queima de estoque: verifique seu estoque de produtos e veja quais itens podem ser usados em ofertas imperdíveis. Dê preferência àqueles com maior margem de lucro para o seu negócio. Isso vai aumentar o seu volume de receita e gerar uma entrada maior no final do mês.

 

Com a situação da pandemia no Brasil, a projeção da inflação para 2021 ainda não é tão animadora. Alguns preços continuam puxando para cima o IPCA, elevando também o aumento geral dos preços da cesta de produtos e serviços consumidos pela população.

 

O resultado disso é o aumento da taxa da inflação, bem como de outros índices de preços. Consequentemente, o poder de compra do consumidor é reduzido e o comércio sofre pela baixa nas vendas.

 

Por isso, uma coisa é fato, não tem como fugir dos efeitos da inflação!

 

Contudo, é totalmente possível contornar os caminhos que ela propõe através de estratégias de vendas e marketing. Por isso, nos últimos meses, temos produzido diversos conteúdos para ajudar lojistas e profissionais de marcenaria a manterem o negócio com altas vendas.

 

Quer aprender mais estratégias?

 

Botão mais artigos

DESTAQUES

Diferenças entre as corrediças telescópicas e corrediças com roldana

Diferenças entre as corrediças telescópicas e corrediças com roldana

Talvez você não saiba, mas as corrediças telescópicas e com roldana são os principais modelos responsáveis por garantir a mobilidade de gavetas instaladas em armários, aparadores, gaveteiros, entre outros móveis da casa. Por isso, esse tipo de ferragem é tão importante para abertura e fechamento dos compartimentos.

Rodinha para móveis e rodízios industriais: principais diferenças e funções

Rodinha para móveis e rodízios industriais: principais diferenças e funções

A rodinha para móveis é um daqueles acessórios quase invisíveis no dia a dia, mas um item imprescindível para o bom funcionamento de um móvel que precisa ter mais facilidade na locomoção. Na hora de escolher a rodinha você deve considerar diversos fatores, tais como: ambiente, peso e tipo de rodízio.

MAIS ACESSADOS

Tags

Para mais infomações sobre estoque, preços e condições comerciais acesse nossos Termos e Condições

© Todos os direitos reservados COMPLETA - 2021